Artigos

ERA: um novo exame para auxiliar os casais a engravidar por fertilização in vitro

O Centro de Reprodução Humana Nilo Frantz conta com mais um aliado para ajudar os casais que buscam a sua gravidez mediante a técnica de ferilização in vitro (FIV). Trata-se do ERA, sigla da língua inglesa para Endometrial Receptivity Array, exame inovador que permite determinar o status da receptividade endometrial, ou seja, verificar qual o período mais favorável à colocação dos embriões no útero da mulher. Sabe-se que existe um período de três a quatro dias no qual a camada que reveste internamente o útero, denominada de endométrio, encontra-se mais favorável à implantação embrionária. A colocação de embriões fora deste período, conhecido como “janela de implantação”, está relacionada a menores taxas de sucesso do tratamento. O exame rotineiramente utilizado para este fim é a ultrassonografia (ou ecografia). No entanto, embora essencial, a avaliação do aspecto e da espessura do endométrio por ecografia não permite definir com precisão o dia ideal para a transferência embrionária, o que já é possível pelo ERA. Trata-se de um método diagnóstico inovador que verifica do ponto de vista molecular o status da receptividade endometrial da mulher. Assim, após a realização do exame, é possível determinar se o útero, em um determinado momento do ciclo, encontra-se “receptivo” ou “não-receptivo”. Os endométrios considerados “não-receptivos”, são então classificados em um dois grupos seguintes: o “pós-receptivo” (passou do dia ideal) e o “pré-receptivo” (mostra que a colocação deverá ser feita alguns dias mais tarde do que se imaginava). A implementação do ERA mostrou que cerca de 20% das pacientes apresentam uma janela de implantação deslocada. Este teste genético para o diagnóstico da receptividade endometrial, desenvolvido para analisar a expressão de 238 genes, permite personalisar a data da colocação dos embriões, ajuste este que não é possível pelo método tradicional da ecografia.

COMO FUNCIONA? Antes do ciclo de colocação dos embriões é feito um ciclo de monitorização do endométrio. Realiza-se então, por sucção, uma pequena biópsia endometrial no período no qual a ecografia indicaria ser o ideal. O material é analisado e o laudo informa se aquela fase do ciclo foi considerada favorável (receptiva) ou desfavorável (não-receptiva) para a transferência embrionária. Munidos desta informação, podem então os médicos realizar, em um dos ciclos subsequentes, o procedimento dentro do período mais adequado à cada mulher.

PARA QUEM O EXAME É INDICADO? O ERA surgiu como uma ferramenta diagnóstica que buscar aumentar as chances de gravidez pós-FIV. Pesquisas demonstraram que os mais beneficiados são os casais que já realizaram a colocação de vários embriões no útero e não obtiveram sucesso com o tratamento. O benefício pode ser maior para casos em que “bons embriões” foram transferidos para um útero com o endométrio considerado “normal”. São justamente os casos em que não se obteve uma explicação para o insucesso. Importante salientar que o teste ERA somente é indicado aos casais que realizarão a transferência embrionária e, portanto realizaram ou realizarão ciclo de fertilização in vitro. Os embriões, fruto do tratamento de fertilização, necessariamente passam pelo processo de criopreservação (congelamento) antes da transferência com data personalizada.